Páginas

quarta-feira, outubro 27, 2010

terça-feira, outubro 26, 2010

Diagnóstico


F32.2

Mas, continuo vivendo mais feliz nos dias em que o céu está nublado e a grama bem molhadinha, isso sem deixar de amar os dias ensolarados de céu azul e nuvenzinhas brancas e fofas. 

Continuo vivendo feliz com o Filho da Sogra que é maravilhoso mais o nosso Filhote Moço e o Peludo que sorri cada vez que saímos porta à fora e voltamos para casa.

Surpreendentemente, continuo ampliando o rol de amizades (para uma pessoa tão anti social) e sempre tem gente aqui em casa trocando ideias, pensamentos, sentimentos bons, além das receitas de culinária e artes mil (vide sacada de arte e outros).

Claro que a indicação de umas cinco gotinhas estão ajudando os pensamentos ficarem sossegados durante o sono que está um pouquinho maior (não estava dormindo quase nada antes). Isso é um sintoma a mais de que nem tudo estava tão bem - além do joelho, conjutivite, cólicas, dores na coluna (veieira!).


Há uma certa ansiedade pairando quanto à videohisteroscopia que será 6ª feira (orando!) logo após minha data natalícia...

A vida continua e com o tempinho a mais que estou tendo minhas caixinhas estão ficando cada vez mais lindas...

quarta-feira, outubro 20, 2010

Assim foi... assim está sendo!


Tudo junto e bem misturado...

O joelho imobilizado e imobilizando minhas capacidades de ir e vir e até de pensar. As limitações maiores não ficaram com o físico... Infelizmente! Queria desfrutar dos dias em casa, mas aproveitei pouco a alegria e a companhia das pessoas que resolveram me visitar...

A eminente cirurgia - faltando pouco mais de uma semana - deixando meus pensamentos mais cheios de pensamentos...

Resultado: as ansiedades aumentaram! Um choro (daqueles bem comuns só de lavar a alma) de meia hora deixou meus olhos tão inchados e vermelhos que desanimei de ver o mundo lá fora ou de permitir que o mundo visse esta situação...

Crises de vida: considero que sou uma ótima profissional e sei que desempenho minhas funções muito e bem sem qualquer dificuldade ou limitação. Mas, surgiu uma limitação: a ansiedade!

Um tempo a mais por aqui. Tempo para ajustar o mundo interno ao mundo externo (será?). Aí, aqueles olhos irritados com o choro, com o mundo e com a vida... pegaram CONJUTIVITE!

Quer mais?


quinta-feira, outubro 14, 2010

Assim foi e assim é


Esta tem sido uma grande companheira nos últimos dias; apoio inseparável e indispensável, pois nos poucos momentos em que a dispensei... senti falta ou melhor necessidade. Meu joelho fica brincando de 'junta' (o ditado irônico: 'junta tudo e joga fora").



sábado, outubro 09, 2010

Falando da vida alheia


Falar da vida alheia nem sempre é fofoca (?) e que os malvados e maldosos de plantão que abaixem as orelhas, pois o assunto diz respeito a falar bem!

Sempre faço elogios aos poucos e ótimos amigos que tenho e sempre repito que sou abençoada pelos Céus quando penso nas pessoas queridas que se mantém a minha volta (afinal, não é fácil conviver com pessoas). 

Esta semana desagradável (ou melhor este ano cheio de altos e baixos) está sendo mais fácil de encarar por conta da alegria e dos telefonemas e contatos de pessoas queridas - obrigada Lila, Nitinha, Dai, Kelly (e Adrian), Lu e Gelson! - que nem sabem ou imaginam o quanto estão sendo bons para comigo (e para com o Filho da Sogra e para com o Filhote que não são obrigados a suportar meu mau humor sozinhos). 

Hoje, após uma ressonância magnética do joelho, o telefone de casa tocou e era minha querida prima lá das Minas Gerais. Ela é a mãe do André. Ela nem imagina o que se passa por aqui (e nem eu o que se passa por lá, até ela contar), mas ligou no dia e na hora certa (sorte?).

A Lu nasceu quando eu tinha 6 anos de idade. Parecia que eu estava ganhando mais uma boneca (meu senso de responsabilidade com minhas bonecas sempre foi muito grande) e logo me senti responsável por ela, além de uma amor enorme (amo as outras também, mas elas nasceram depois). Nos separamos quando ela tinha apenas dois aninhos, mas minhas férias foram sempre preenchidas pela visita de minha boneca querida e quando estava para casar (em período de férias, também) ela chegou antes para passar uns dias a mais comigo (e trouxe as outras bonecas, digo, primas juntas).

Quando a Lu resolveu fazer faculdade fiz tudo o que podia para ajudar e passei anos maravilhosos com ela por perto (biologia em 4 anos). Ela, o namorado e meus irmãos mais novos (juntos com todos os amigos chegados que tiveram na faculdade) frequentaram minha casa e acompanharam as primeiras conquistas de meu Filhote, pois chegaram quando ele completou dois anos. O ditado popular diz que "parente a gente não escolhe", mas se tivéssemos a autoridade de escolher o marido da Lu teríamos escolhido (ainda bem que ela casou com o Hélio, que é o parente que escolhemos ter!). 

Pelas circunstâncias da vida foram para Minas... Me senti desamparada, pois no último ano do casal aqui eu já havia embarcado nesta vida desvairada de trabalhar e correr demais e desnecessariamente

Estou a pensar na vida e nestas escolhas que fazemos sem medir as consequencias... Hoje, a Lu está lá com o pequeno André passando pelas mesmas deliciosas fases que meu Filhote passou... E nem estou acompanhando... E ainda nem vi o André...

Vou fechar com o pensamento de Neruda:

Morre lentamente quem não viaja,quem não lê ,quem não ouve musica,quem não encontra graça em si mesmo.

Morre lentamente quem destroi o seu amor proprio ,quem não se deixa ajudar.

Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito ,repetindo todos os dias o mesmo trajeto,quem não muda de marca , não se arrisca a vestir uma nova cor , ou não conversa com quem não conhece.

Morre lentamente quem faz da televião o seu guru.

Morre lentamente quem evita uma paixão,quem prefere o negro sobre o branco,e os pontos sobre os iss em detrimento de um redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho nos olhos, sorrisos dos bocejos,corações aos tropeços e sentimentos.

Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho , quem não se permite pelo menos uma vez na vida fugir dos conselhos sensatos.

Morre lentamente, quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva que cai incedssante

Morre lentamente quem abandona um projeto antes de iniciá-lo , não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não respondem quando lhe indagam sobre algo 
que sabe.

Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples fato de respirar.

SOMENTE A PERSEVERANÇA FARÁ COM QUE CONQUISTEMOS UM ESTÁGIO ESPLENDIDO DE FELICIDADE.




quinta-feira, outubro 07, 2010

CID


CID! Não é o Cid Moreira e nem é o Sid da Era do Gelo!

CID é o código internacional de doenças. Nele tem a classificação de doenças e problemas relacionados à saúde. É um livrinho que os médicos consultam para dar nome aos bois confirmar o nome que melhor se encaixa aos sintomas apresentados por seus pacientes e para marcar no atestado médico.

Como e para que tudo isso?

É que o joelho piorou mesmo - com direito a sentir dor e mancar igual à mula manca - e aproveitei a consulta com o anestesista (para o procedimento marcado para o final do mês) e fui ao ortopedista. 

O médico mostrou que lá no Raio X tem uma explicação para a dor e que o reumatologista indicado antes pode ser útil, mas a emergência pede um especialista de joelho e uma ressonância magnética, além do joelho imobilizado e repouso obrigatório por mais 10 dias.

Pior é que até chegar nisso tudo suspeitei do remédio (aquele para a sangria desatada) e sem conseguir falar com a médica por conta deixei de fazer uso... Resultado: tudo de novo e mais um pouco (isso se chama cólicas mil e volta ao amigo absorvente). Nem vou brincar mais que isso é para sal grosso, pois estou começando a questionar minhas convicções e acreditando que estou amiga dos hipocondríacos.

Queria sossego, ficar em casa e relaxar, mas assim não dá! A perna pesa um tantão e nem é possível dobrar... Já perdi duas provas e um seminário, além das faltas que estava no limite (quer mais ou é melhor voltar a pensar no sal grosso? Ia esquecer isso).


domingo, outubro 03, 2010

Desejo e realidade

Lembro daquelas frases tipo: 'não fica desejando que acontece'... entre outras e penso no que está acontecendo comigo. Estava muito desanimada na semana passada, até desejava uma justificativa para faltar ao trabalho sem aqueles sentimentos de culpa, mas não consegui e faltei mesmo assim. Precisava repor minhas energias físicas e mais ainda emocionais.

Fiz apenas o necessário, básico e indispensável. Estava mesmo com o joelho dolorido sem explicação. Fiquei mancando e tenho muita vergonha quando perguntam: 'machucou o pé?' e respondo: 'Não!'

O danado do jeolho foi piorando, piorando e ficando pior! Agora estou de atestado por três dias para procurar um reumatologista com urgência, pois nada justifica a dor e a impossibilidade de dobrar o joelho ou depois que dobro não consigo esticar.

Fala sério! Quem mandou procurar médico? A função dele é tratar de doentes... 




LinkWithin

Related Posts with Thumbnails